Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 22 - quarta-feira, 3 de março de 2021

Vem da Inglaterra outra boa notícia: vacinas estão mesmo cortando a transmissão do vírus. Ministério da Saúde pede ajuda para definir a compra de mais 2 vacinas.

Segunda 22/02/21 - 6h25

Da Inglaterra, vem hoje uma boa notícia: evidências indicam que as vacinas em uso no mundo estão se mostrando eficazes para cortar a transmissão de Covid-19, reconheceu o ministro de vacinas do Reino Unido, nesta segunda-feira .
DUAS
O Brasil espera fechar acordos para mais duas vacinas: a russa Sputnik V e a Covaxin, desenvolvida na Índia pelo laboratório Bharat Biotech.
DEPENDERÃO
Além dos valores, as 2 dependerão de aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
CASOS
Países com maior índice de vacinação a cada 100 mil habitantes já veem os efeitos da imunização.
AO MENOS
Em Israel, onde quase 50% da população já recebeu ao menos a primeira dose da vacina — o maior índice em todo o mundo —, os casos sintomáticos caíram em 94%.
CAIU
No Reino Unido, o primeiro país ocidental a iniciar a vacinação, onde mais de 16 milhões de pessoas já receberam a primeira dose, o número de novos casos foi de 55 mil em 15 de janeiro para 9.700 em 15 de fevereiro.
AUXÍLIO
O Ministério da Saúde solicitou, de forma pública, ao Palácio do Planalto, auxílio para a compra de novas vacinas contra a covid-19.
DESEJA
Por meio de nota divulgada neste domingo (dia 21), o Ministério reconheceu que deseja comprar vacinas da Janssen e da Pfizer, mas disse que as propostas apresentadas vão além de sua capacidade de prosseguir nas negociações.
ESPERAR
Disse esperar resposta entre segunda e sexta-feira:
- Queremos salvar vidas e comprar todas as vacinas comprovadamente efetivas contra o coronavírus aprovadas pela Anvisa.
- Desde abril de 2020, começamos a conversar com a Janssen e, um mês depois, com a Pfizer, mas as duas empresas fazem exigências que prejudicam interesses do Brasil e cederam pouquíssimo nisso, ao contrário de outros fornecedores.
EVIDÊNCIAS